sexta-feira, 19 de outubro de 2012

presa quadrilha que sequestrava pessoas escolhidas pela net




Ternos, roupas sociais, carros de alto padrão. Era desta forma que uma quadrilha especializada em sequestros saía da Capital  em busca de  alvos no interior do Estado. E, por escolherem a região de Sorocaba para praticar os  crimes, policiais  do GAS (Grupo Antissequestro de Sorocaba) identificaram e prenderam, na manhã desta quinta-feira (18), os irmãos Alexandre Peixoto, 25 anos, e Diego Peixoto, 27, bem como  João Bruno dos Santos da Luz, 26, Elbert Moisés Maia, 19, e Bianca Sena Freitas, 19.

Além de monitorar e estudar pessoalmente a vida das potenciais vítimas, o grupo utilizava mídias sociais para selecionar e conhecer os alvos.

Começo/ Há quase dois meses a quadrilha iniciou as atividades na região. “Eles sequestraram uma mulher em Itu e a mantiveram em cativeiro durante uma semana, só liberando mediante pagamento de resgate”, conta o delegado Rodrigo Ayres.

O mesmo ocorreu em Sorocaba, com um empresário. Todo os detalhes dos crimes foram acompanhados pelo GAS. Num terceiro incidente, uma mulher foi sequestrada em Itu, mas conseguiu saltar do carro em movimento.

A quadrilha levava as vítimas para São Paulo. “Os criminosos foram atraídos para esta região por João Bruno, que mora em Itu e passou a monitorar as vítimas em potencial”, destaca o delegado.
Meio/ Tomando conhecimento do primeiro sequestro realizado pelos bandidos na região, o serviço de inteligência do GAS passou a monitorar os passos dos integrantes da quadrilha para identificá-los.

Conforme a Polícia Civil, João era o responsável por identificar e estudar os hábitos das  vítimas. “Todos os alvos eram seguidos de perto. Os criminosos conheciam toda a rotina daquela pessoa, sabiam por onde ela andava e em qual ponto a abordagem seria mais fácil”, diz Rodrigo Ayres.

Assim, todas as vítimas foram capturadas em locais públicos como ruas próximas de suas casas e saídas de banco. Este era o momento no qual o restante do bando agia.

As roupas sociais discretas dos criminosos não chamavam a atenção e eles conseguiam praticar o crime de forma silenciosa.
No cativeiro, Bianca agia  com os comparsas. Ela era a responsável pela alimentação e o bem-estar da vítima. 

Fim/ Munidos de mandados de busca e apreensão, os policiais do GAS seguiram até a Cidade Tiradentes,  zona leste de São Paulo, na madrugada de ontem. O comboio contou com 30 veículos com policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), Dise  (Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes) e das cidades de Pilar do Sul, Ibiúna, Mairinque e São Roque.

Quando os criminosos chegaram em casa foram surpreendidos. Foram apreendidos três veículos roubados e um revólver calibre 38 com numeração raspada e municiado. João foi preso simultaneamente em Itu.
Grupo também agia em outras regiões do interior paulista
Quando João Bruno dos Santos da Luz deixou a capital paulista para morar em Itu, trouxe consigo o interesse dos comparsas de crime. A investigação do GAS (Grupo Antissequestro de Sorocaba) aponta que os criminosos atuavam na região de Sorocaba e Itu, mas também em Jundiaí e na própria Capital.“A quadrilha era considerada perigosa e, além dos crimes de sequestro, também roubava casas e carros”, destaca o delegado do GAS, Rodrigo Ayres. Sempre aparentando seriedade com suas roupas sociais, os integrantes do bando costumavam levar as vítimas para matagais e casas. 

O tempo que levavam para levantar os hábitos dos escolhidos costumava variar. “As pessoas precisam estar mais atentas por onde andam, com quem conversam e com qual tipo de conteúdo abastecem as redes sociais”, orienta o delegado, acrescentando que todas as informações das vítimas facilitavam a ação do grupo.

Ainda segundo o delegado, a investigação continua, pois um dos membros da quadrilha está foragido. Além disso, a Polícia Civil poderá cruzar os dados obtidos em Sorocaba para contribuir com a investigação de outras áreas.

Os cinco bandidos foram trazidos à sede do GAS, onde algumas vítimas estiveram para identificá-los. Conforma a polícia, os sequestradores não costumavam ser violentos, mas faziam grande pressão psicológica nos familiares. “As vítimas são de todas as classes sociais, de média a alta.”

O grupo foi indiciado por formação de quadrilha, porte ilegal de arma, extorsão mediante sequestro e receptação dos carros, que são produto de crimes anteriores.
Cuidado nas redes
Cuidado com o excesso de informações pessoais
Existem informações que você nunca deve compartilhar on-line. Ao protegê-las, você pode impedir desde o roubo de identidade até a sua segurança física. Nunca forneça data de nascimento, endereço residencial e número de telefone.

Personalize as opções de privacidadeNas seções sobre privacidade – existente em cada rede social – descubra as opções para limitar quem pode ver diversos aspectos de suas informações pessoais, inclusive postagens e fotos.

Não confie, verifiqueAntes de fornecer informações demais ou clicar em links, você precisa 

confirmar se uma página 
que supostamente é de um amigo pertence de fato a ele. Com isso,  evita que criminosos conheçam sua intimidade.

Evite compartilhar detalhes pessoais
Você não colocaria um aviso deste tipo na porta de casa: “Ausente no fim de semana... Retorno na segunda-feira”. Por isso, quando você ler no campo de postagem “o que você está fazendo agora?”, tenha cuidado com a resposta. 

Pesquise a si mesmo
É uma boa ideia pesquisar seu nome na internet e checar seu perfil do modo que outras pessoas o veem nas mídias sociais. Depois programe adequadamente seu perfil, suas configurações e seus hábitos.

Selecione quem tem acesso às suas informações
Mais amigos na internet significa que mais pessoas, incluindo estranhos, têm acesso a mais informações sobre você. ( quando vc expõem , todos ficam sabendo, o mundo fica sabendo, então se liga)

Nenhum comentário: