quarta-feira, 14 de novembro de 2012

acorda SOROCABA, guerra de SP ta chegando aqui.




A violência que assola a Capital e a Grande São Paulo começa a dar mostras de que está chegando a Sorocaba, conforme alertou com exclusividade ao BOM DIA um especialista em segurança pública.
Nesta segunda-feira (12), um cabo da Polícia Militar de 57 anos – cujo nome não foi revelado – registrou boletim de ocorrência alegando que teria sido ameaçado por bandidos.

O policial havia saído de casa –  na Vila Haro, zona leste – para trabalhar quando, segundo testemunhas, dois criminosos se aproximaram da residência e um deles gritou: “Vou matar o policial”. Ao perceberem que o cabo não estava, foram embora minutos depois. 

O caso é investigado pelo 2º Distrito Policial de Sorocaba. A delegada Cássia Mezzomo, que conduz os trabalhos, explicou que as informações serão encaminhadas para o setor de investigação e que a Polícia Civil vai trabalhar para identificar os possíveis criminosos o mais breve possível.

Associação em alerta/ O fato chamou a atenção da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que é presidida pelo soldado Jefferson Felix, em Sorocaba. 

Ele avalia que o caso é visto como um sinal de alerta, mas acredita que, apesar disso, não existem dados concretos para afirmar que a onda de violência que se instalou na Capital esteja atingindo a cidade.  “Toda esta violência registrada em São Paulo fez com que os militares se tornassem mais unidos e melhorassem mais ainda o trabalho preventivo”, destaca.

Para ele, os PMs estão mais alertas com a própria segurança e, durante o patrulhamento, as casas dos amigos de farda também estão sendo vigiadas.

Cuidado/ “Infelizmente, a onda de ataques na Capital trouxe inquietação entre os militares da cidade, mas a cautela com a segurança pessoal está redobrada”, complementa o soldado Felix.
Com isso, ele acredita que a polícia mostra para a sociedade que não vai recuar diante do dever de proteger a vida.

Na capital/ O presidente da Associação de Cabos e Soldados optou por não comentar o posicionamento do Governo do Estado e da Secretaria de Segurança Pública, mas lamentou a morte dos colegas na Capital  e dos civis que foram vítimas de atentados. “Sorocaba se mantém tranquila oficialmente, sem nenhum caso registrado que comprove que a violência paulista chegou aqui”, afirma. “Esta tranquilidade é reflexo do trabalho bem feito pelas forças policiais que estão cuidando mais de si mesmos durante o expediente e, principalmente, durante as folgas.”
Especialista avalia possibilidades
Em entrevista exclusiva ao BOM DIA, especialista falou sobre segurança
Na edição de sexta-feira, o BOM DIA publicou uma entrevista exclusiva com o especialista em segurança pública Gustavo Barata. Na ocasião, ele respondeu uma série de perguntas sobre a atual situação da segurança da cidade, avaliando os ataques criminosos da capital paulista.

Problemas/ Informado sobre dois homens identificados como membros do PCC (Primeiro Comando da Capital), que foram flagrados pela Polícia Militar no Jardim dos Pássaros, no dia 7 deste mês, Barata alertou sobre a grande quantidade de presos da facção criminosa encarcerados no sistema prisional da região de Sorocaba.“Com a proximidade do Natal, mais de mil presos da facção criminosa deverão ser beneficiados com o indulto natalino”, destaca o especialista, que é mestre em direito penal e professor da Uniso. 

Precaução/ Por ter contato direto com o sistema prisional, o especialista destaca que tem acompanhado o trabalho feito pela administração carcerária, por determinação do Estado. “O sistema prisional está em alerta e os presos da facção criminosa estão sendo mantido o mais afastados possível para que não possam se organizar e ordenar práticas de má conduta”, complementa.

Durante a entrevista, Barata não excluiu a possibilidade de a cidade ser afetada pela onda de crimes que atingiu São Paulo e considerou a postura do Governo do Estado prejudicial. “A negativa do governo fez com que o crime organizado crescesse mediante a inércia pública”, conclui.
Movimento pede a valorização dos policiais
‘Reaja São Paulo’ tem como objetivo coletar 1,4 milhão de assinaturas para projeto a ser enviado ao Congresso Nacional
Em 15 de outubro, uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa deu início ao movimento Reaja São Paulo. Na ocasião, diversas autoridades que representam as forças policiais do país estavam presentes.

O objetivo do movimento é coletar 1,4 milhão de assinaturas para apresentar ao Congresso Nacional um projeto de lei de iniciativa popular que deverá tornar hediondos os crimes praticados contra agentes da lei, aumentando o rigor das penas aplicadas. 

O texto do projeto avalia como agentes da lei policiais civis e militares, guardas civis municipais, bombeiros, defensores públicos, membros do Ministério Público, juízes e servidores do judiciário, além de agentes e guardas prisionais. 

Na ocasião, o deputado Olímpio Gomes,  autor do projeto,  defendeu a iniciativa avaliando a atual situação da segurança estadual. “Vivemos um momento crítico na segurança pública no Estado de São Paulo, onde irmãos tombam todo dia em defesa da população. Mudanças são necessárias e devem ser feitas ao abrigo da lei, pois se ela tem fragilidades cabe à população se manifestar através de iniciativa popular.”
CLIQUE AQUI PARA ASSINAR A PETIÇÃO
Voz popular/ Em Sorocaba, o soldado da PM Jefferson Felix, que preside a Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo, explica que a associação quer ouvir a população para elaborar um protocolo de intenções para o Governo do Estado. “Todos dizem que é preciso tomar atitudes contra a violência, por isso queremos coletar as opiniões dos sorocabanos.”
As ideias podem ser enviadas ao e-mail: cabosesoldadosregional06@hotmail.com.
Violência tem reflexo em cidades da região
Na semana passada, boatos de supostos ataques do crime organizado fizeram com que cidades da região de Sorocaba mudassem seus hábitos.  Segundo informações da Polícia Civil, os boatos surgiram em Araçariguama, atingindo São Roque e Mairinque. Com isso, escolas foram fechadas antes do previsto. 

A Secretaria Estadual de Segurança Pública informa que as informações foram investigadas, porém nada de concreto foi encontrado. “Não há toque de recolher no Estado de São Paulo, porém, se algum cidadão tiver ciência de que pessoas ou grupos de pessoas estejam  espalhando boatos a respeito, é importante que comunique o fato imediatamente pelos telefones 190 e 181”, destaca a assessoria.

Questionada sobre os casos de violência contra policiais militares e possíveis ameaças, o Centro de Comunicação Social estadual da PM informa que orientou todos seus integrantes a manter redobrada sua atenção para segurança própria, como evitar locais em que fiquem mais expostos, atividades extras [bicos] e outros cuidados durante a folga.
Há cerca de 20 dias, viaturas da Rota (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar) foram vistas em Sorocaba em duas ocasiões distintas, mas a PM optou por não revelar o que motivou a presença dos militares na cidade.( fato isolado não senhor, já sabiam que estes ataques iriam acontecer meses atras e nada foi feito agora que ta chegando aqui, vai falar em fato isolado.
vão esperar alguém levar tiros pra acordar de vez ?)

Nenhum comentário: