segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

ex militar chileno confessa numa rádio seus crimes na ditadura PINOCHET.

Image copyrightAP
Image caption
Pinochet era comandante do Exército e liderou o golpe de Estado que derrubou do poder e provocou a morte do presidente Salvador Allende, em setembro de 1973.
Os chilenos se surpreenderam por uma ligação a um programa de rádio em que um ex-militar relatou, com detalhes, os crimes que cometera durante a ditadura militar no país (1973-1990).
Tudo começou no último dia 9 de dezembro, com uma insuspeita chamada ao programa popular El Chacotero Sentimental ("O piadista sentimental", em tradução livre), da rádio Coração, de Santiago.
O ouvinte ligou para falar sobre um romance e logo começou a confessar mortes de presos políticos pouco após o golpe de Estado do general Augusto Pinochet.
O homem sugere usar uma identidade falsa ao hesitar a informar seu nome, que diz ser Alberto. Começa a falar sobre a atração que sentia por uma italiana que conhecera aos 18 anos, e da relação que não conseguiu concretizar porque teve que cumprir serviço militar obrigatório.
Em tom descontraído, ele começa a contar ao apresentador Roberto Artiagoitía como participou do assassinato de presos políticos depois do golpe que derrubou o governo de Salvador Allende (1908-1973).
Ele continua o relato, animado ao falar sobre a italiana, e diz que havia integrado um pelotão especial em que "levávamos vários desses sujeitos ao pampa (do norte do país) e metíamos uma bala na cabeça deles, dinamitávamos e 'paf', não sobrava nem a sombra".
Diz ter escrito um livro sobre seu período como militar chamado "Desperdício militar obrigatório" - a polícia depois descobriu um blog anônimo com afirmações do mesmo teor, que associou a "Alberto". Afirma ainda que os desaparecidos na ditadura não foram localizados porque "estão totalmente desintegrados".
Dois dias depois, a polícia prendeu "Alberto", na verdade Guillermo Reyes Rammsy, taxista de 62 anos e morador de Valparaíso, a 116 km de Santiago.

'Bom soldado'

Os crimes que Rammsy confessou ocorreram no norte de Chile, região em que ele prestou serviço militar obrigatório.
Image copyrightRadio Corazon
Image captionO apresentador Roberto Artiagoitía, conhecido como El Rumpy, disse que o relato do ex-militar foi 'arrepiante'
"Chorei na primeira vez, mas o tenente dizia: 'Bom soldado, bom soldado, soldado valente'. Logo, 'pum, pum' outra vez. Na segunda vez eu gostei, curti, era melhor que maconha."
Questionado pelo apresentador, o ex-militar disse considerar que não merece punição. Justificou-se dizendo que "foi obrigado" a cometer os crimes, porque se não tivesse cumprido ordens teria sido morto pelos militares.
Sobre a italiana que citou na ligação, ele conta ainda que participou da morte do marido da mulher, e que acabou contando a ela quando ambos tiveram um romance anos depois.
Estima-se que cerca de 3 mil pessoas tenham sido mortas durante a ditadura de Pinochet.

'Minha especialidade era ser franco-atirador'

O apresentador Roberto Artiagoitía, conhecido como El Rumpy, afirmou ao jornalLas Últimas Noticias que o relato do ex-militar foi "arrepiante e de muita frieza".
Rammsy disse que durante o golpe foi transferido de Iquique, no norte do Chile, a Santiago.
"Soube quão má pode ser uma pessoa. Matei mais de dez pessoas, minha especialidade era ser franco-atirador", afirmou no ar.
Image copyrightAP
Image caption
Organizações de direitos humanos ainda lutam por justiça aos mortos e desaparecidos durante a última ditadura chilena
A polícia começou a investigação na rádio, onde requisitou a gravação e detalhes das declarações.
O mandado de prisão foi emitido pelo juiz especial para processos de direitos humanos Mario Carroza. Após a detenção, o ex-militar foi interrogado pelo juiz na presença de um advogado.
O juiz decretou prisão domiciliar e denunciou o ex-militar por dois homicídios registrados no centro de presos políticos de Pisagua, no norte do país. O magistrado disse ainda que considerará a atitude de colaboração do militar ao julgar o caso.
( e vc meu amigo ainda quer a volta dos militares ? quer eleger BOLSONARO presidente ? o tal militar chileno depois de anos resolve confessar tudo que fez.
arrependimento, crise consciência, depressão, doença grave, vai morrer e ai resolve contar tudo, afinal qual foi ? imagine se  a moda pega ? haja tatas confissões e lugares pra pessoa desabafar. 

Nenhum comentário: